Açores têm mais cerca de 200 profissionais de Saúde desde que atual Governo tomou posse

02-12-2022

O Secretário Regional da Saúde e Desporto, Clélio Meneses, anunciou na segunda-feira que o Executivo quer continuar a contratar mais profissionais para o setor, tendo a região, desde que tomou posse, mais 62 médicos, 108 enfermeiros e 23 técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica.

Açores têm mais cerca de 200 profissionais de Saúde desde que atual Governo tomou posse

O Secretário Regional da Saúde e Desporto, Clélio Meneses, anunciou na segunda-feira que o Executivo quer continuar a contratar mais profissionais para o setor, tendo a região, desde que tomou posse, mais 62 médicos, 108 enfermeiros e 23 técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica.

“Pretendemos contratar mais profissionais de Saúde, aumentando em 50% o montante relativo a incentivos à fixação de médicos e enfermeiros, o que propomos com a convicção de quem, em menos de dois anos, já concretizou a contratação de mais profissionais para o setor do que em vários anos de governação anterior. Hoje, os açorianos têm mais 62 médicos do que quando iniciámos funções, mais 108 enfermeiros do que no final de 2020, mais 23 técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica”, sublinhou Clélio Meneses.

O governante falava na Assembleia Legislativa Regional, na Horta, a propósito do debate do Plano e Orçamento para 2023.

O Governo dos Açores, vincou Clélio Meneses, propõe a valorização dos profissionais de Saúde com um aumento de 100% relativamente à formação em saúde, “com a mesma determinação” com que será prosseguida a “concretização dos processos de regularização e atualização de carreiras e remunerações de profissionais de Saúde, levando por diante aquilo que está acordado com representantes de enfermeiros, farmacêuticos, técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica e profissionais das carreiras gerais”.

“Sem contar com trabalhadores com contrato individual de trabalho cujos processos estão a decorrer no âmbito dos respetivos hospitais, já sentiram consequências nas suas carreiras e remunerações 2.113 profissionais do setor, num valor aproximado de mais de cinco milhões de euros”, assinalou.

O Secretário Regional anunciou ainda que será continuado o trabalho de reduzir as listas e os tempos de espera para acesso a cuidados de saúde, “quer sejam cirurgias, através da dotação de 3,7 milhões de euros no programa Cirurge, bem como com o Vale Saúde, o Cheque Saúde, o reforço da produtividade e a ação da entidade gestora do doente em espera que iniciará as suas funções brevemente”.

E prosseguiu: “Queremos concretizar estas propostas com a mesma determinação com que já reduzimos em mais de dois mil o número de açorianos em lista de espera, mas, mais relevante ainda, com que reduzimos em 153 dias o tempo médio de espera para uma cirurgia. Sim, quando a atual oposição deixou o Governo dos Açores, há cerca de dois anos, o tempo médio que um açoriano tinha de esperar para realizar uma cirurgia era de 540 dias”.

Os açorianos, advogou Clélio Meneses, “vão ter acesso a mais cuidados de saúde, com a mesma garantia do que já foi alcançado, com mais consultas, exames e cirurgias em 2021, do que em 2020, em 2019 e em 2018”.

“Os açorianos das ilhas sem hospital terão mais consultas e exames sem terem de se deslocar da sua terra. Assegurámos a concretização desse objetivo com a mesma capacidade de quem já fez com que em 2021, em plena pandemia, tivessem sido realizadas 11.244 de tais consultas, mais 4.503 do que em 2020 e mais 1.181 do que em 2019 e 1.371 do que em 2018, anos sem qualquer restrição pandémica”, assinalou ainda.

No que refere a obras, serão iniciados os procedimentos para os centros de saúde da Ribeira Grande, Vila Franca do Campo e Povoação, “com a mesma vontade de quem já identificou terrenos e tem programas preliminares para as unidades de saúde da Maia e do Livramento”.

Já foram iniciadas, entretanto, “obras, há muito esperadas, no Hospital do Divino Espírito Santo, e serão iniciadas as obras no Centro de Saúde do Corvo, cuja empreitada já está adjudicada, no Centro de Saúde do Nordeste, já no próximo mês de janeiro, e no Centro de Saúde das Lajes do Pico, com a mesma confiança” que levou o Governo “a resolver o problema do Centro de Saúde das Velas, cujas obras estão em fase final”.

“Lançaremos novo concurso para as obras do Hospital da Horta, com o mesmo objetivo que levou já à conclusão da obra do seu parque de estacionamento, lançada e executada por este Governo. Investiremos na aquisição de equipamentos que modernizarão e agilizarão as respostas em saúde, através da sua digitalização e da telesaúde, com o mesmo rigor e capacidade que fez com que já estejam investidos 6,5 milhões de euros e no primeiro trimestre de 2023 sejam investidos mais 3,5 milhões de euros, no âmbito do PRR, que permitirá, também, a facilitação do acesso por parte de profissionais e utentes e a interoperabilidade de sistemas que tanta falta faz e tão significativo impacto tem na vida dos açorianos”, prosseguiu Clélio Meneses.

No que refere ao Desporto, área que também tutela, será prosseguido “um caminho distinto de inovação, baseado numa visão estratégica, consolidada na ciência e com impacto na sociedade de forma transversal, através da promoção generalizada da atividade física e da qualificação da atividade competitiva”.

Já ao nível da proteção das populações, avançará a renovação da frota de veículos de emergência e de viaturas pesadas, “no sentido de substituir algumas com mais de 20 anos de utilização”.

“Aumentaremos os valores de protocolos e apoios relativamente às associações de bombeiros da região, dos quais destacamos os transportes terrestres de emergência que, de 2020 para 2023, têm um crescimento de 33%, no montante de 1,4 milhões de euros”, frisou.

E rematou: “Há problemas que continuam a existir, continuarão a existir, mas só serão superados com as soluções, determinação e boa-fé que levou a que hoje estivéssemos com melhores resultados do que em novembro de 2020. Passados estes dois anos, há quem queira continuar a ser a cara e a voz dos problemas, da preocupação, da apreensão e do caos. Há quem queira continuar do lado dos problemas. Nós queremos apresentar e concretizar soluções para resolver os problemas. Estamos do lado das soluções, do lado dos açorianos”.